O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Sara Marques

Escola

Escola não identificada

País

Portugal

Felizmente há Luar: Personagens

Resumo do trabalho

Resumo/Apontamentos sobre as personagens (caracterização) da peça de teatro "Felizmente Há Luar!" de Luís de Sttau Monteiro, realizado no âmbito da disciplina de Português (12º ano).


Felizmente Há Luar! - Caracterização das personagens

Miguel Forjaz
  • Prepotente; autoritário; servil (porque se rebaixa aos outros); deixou-se corromper pelo poder.
  • “Não sou, e nunca serei, popular. Quem o for é meu inimigo pessoal.”
  • Simboliza a decadência do país que governa;
  • A hipocrisia e a mesquinhez são as suas principais características;
  • Enquanto governador de Lisboa, representa o espírito decrépito e caduco que impede a evolução do país e condiciona a sua existência enquanto nação.

Principal Sousa

  • Defende o obscurantismo do povo para que os tiranos governem livremente;
  • Deformado pelo fanatismo religioso;
  • Desonesto;
  • Representante do poder eclesiástico.

Beresford

  • Cinismo em relação aos portugueses, a Portugal e à sua situação;
  • Trocista e mordaz, despreza o país onde é obrigado a viver;
  • Oportunista; autoritário; é bom militar;
  • Preocupa-se somente com a sua carreira e com dinheiro;
  • Ainda consegue ser minimamente franco e honesto, pois tem a coragem de dizer o que realmente quer, ao contrário dos 2 governadores portugueses;
  • Odeia Gomes Freire, não porque o afronte enquanto oficial, mas porque o incomoda enquanto herói do povo.

Vicente

  • Traidor para ser promovido;
  • Acaba por ser um delator que age dessa maneira porque está revoltado com a sua condição social (só desse modo pode ascender socialmente);
  • Representa a hipocrisia e o oportunismo daqueles que não olham a meios para atingir os seus fins;
  • Reveste-se de um falso humanismo e de uma solidariedade duvidosa, para fomentar a ira popular contra Gomes Freire.

Manuel

  • O mais consciente dos populares;
  • É corajoso;
  • Representa, metaforicamente, o povo português. Coexistindo com a miséria e a fome, protagoniza a consciência de um povo vilipendiado pela opressão, manifestamente impotente para alterar o seu destino.

Sousa Falcão

  • Representa a amizade e a fidelidade;
  • É o único amigo de Gomes Freire de Andrade que aparece na peça;
  • Ele representa os poucos amigos que são capazes de lutar por uma causa e por um amigo nos momentos difíceis;
  • Representa a impotência perante o despotismo dos governadores.

Frei Diogo Melo

  • Homem sério;
  • Representante do clero;
  • Honesto – é o contraposto do Principal Sousa.

Matilde de Melo

  • Representa uma denúncia da hipocrisia do mundo e dos interesses que se instalam em volta do poder (faceta/discurso social);
  • Por outro lado, apresenta-se como mulher dedicada de Gomes Freire, que, numa situação crítica como esta, tem discursos tanto marcados pelo amor, como pelo ódio;
  • Carácter forte; corajosa perante a vilania;
  • Recusa a hipocrisia e odeia a injustiça e o materialismo.

Gomes Freire de Andrade

  • Personagem virtual;
  • Defensor do povo oprimido;
  • O herói (no entanto, ele acaba como o anti-herói, o herói falhado);
  • Símbolo de esperança de liberdade.
  • Representa, simbolicamente, a integridade e a recusa da subserviência, a sua capacidade de liderança e os exemplos de coragem na defesa dos seus ideais remetem para o Portugal do passado, para o período áureo da Nação, que assumia convictamente a justiça da sua identidade e a veracidade da sua luta pela liberdade.

Populares

  • Representantes do povo oprimido, sobre o qual era exercida a violência, funcionam como coro. As suas falas denunciam a pobreza e a ironia é a sua arma.



294 Visualizações 28/06/2016