O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Filipa Silva

Escola

Escola Secundária da Maia

País

Portugal

Fernando Pessoa – temáticas mais importantes

Resumo do trabalho

Resumo/Apontamentos sobre as temáticas de Fernando Pessoa, realizado no âmbito da disciplina de Português (12º ano).


DOR DE PENSAR

Fernando Pessoa é um homem que vive e pensa simultaneamente, e que, pensando no que vive, pensa que a vida só vale a pena ser vivida quando vivida sem pensamento, uma vez que o próprio pensamento corrompe a inconsciência, inerente à felicidade de viver. De facto, mais feliz é aquele que vive na ignorância, alheio à realidade da vida, do que aquele que baseia a sua existência na lucidez. Esta dor de pensar surge no poema “Ela Canta, Pobre Ceifeira”, mais concretamente nos versos “Ah, poder ser tu, sendo eu! / Ter a tua alegre inconsciência, / E a consciência disso!”. No que toca à obsessão pela análise, o seu sofrimento advém da sua constante auto-análise, não se permitindo sentir a felicidade, restando-lhe o sofrimento, uma vez que não abdica do saber doloroso.

Em suma, tanto a dor de pensar como a obsessão pela análise, são factores que invadem a mente do poeta e o impedem de viver plenamente a vida, ou seja, a extensão dos seus sentimentos é constantemente diminuída pela vastidão do seu pensamento e auto-análise.

(“Ela canta pobre ceifeira”/” Gato que brincas na rua”)

FRAGMENTAÇÃO DO “EU”

A fragmentação do “eu” de Fernando Pessoa resulta da constante procura de resposta para o enigma do ser, aliada à perda de identidade.

Na verdade, Pessoa vê-se confrontado com a sua pluralidade, ou seja, com diferentes “eus”, sem saber quem é nem se realmente existe. Contudo, a negação do “eu” como um todo, leva-nos à forma como os heterónimos foram criados, que nos demonstra a angústia da procura pelo desvendo da vida e da morte, da perfeição e da tristeza, da humanidade e da divindade, expressa, por exemplo, no verso “Para poder nunca esgotar os meus desejos de identidade” de Álvaro de Campos. Por vezes, o próprio "eu" lírico contradiz-se, tentando entender o seu desajustamento, a exemplo no verso “Multipliquei-me, para me sentir”.

Por outro lado, Pessoa viveu a aurora do tempo em que Deus estava morto, tendo encontrado a salvação na fragmentação, na vida inventada, em que cada um dos seus heterónimos exprime um novo modo de ser e uma visão própria do mundo. Pode dizer-se que Fernando Pessoa é o poeta do não ser imaginário, sendo a heteronímia a busca de outros sentidos para a vida.

Em suma, Pessoa apresenta um diálogo múltiplo e descentrado, sendo que a sua despersonalização se trata do desaparecimento do “eu” para fazer surgir a persona, isto é, a máscara.

(“Hora absurda”/Chuva obliqua”)

NOSTALGIA DA INFÂNCIA

Uma das principais temáticas de Fernando Pessoa é a nostalgia da infância. O poeta procura recordar a sua primeira infância, mas não consegue lembrar mais que a vida após os cinco anos, data da morte do pai.

De facto, no poema Pobre e velha música, Pessoa imagina ter sido alguém diferente na infância, “outro”, não sabendo sequer se fora feliz: “E eu era feliz? Não sei: / Fui-o outrora agora”. Estas dicotomias, sempre presentes na sua obra, mostram a dualidade de pensamentos do poeta, a impossibilidade de se definir, desconhecendo esta infância fugaz.

Na realidade, este passado é como um refúgio para o presente, uma alegria na alma do poeta, ao tentar recordar esse tempo em que era “o menino da sua mãe”. No entanto, esta não passa de um sonho, memória perdida e remota, como o próprio refere no poema Quando as crianças brincam: “E toda aquela infância / Que não tive me vem, / (…) Que não foi de ninguém”.

Concluindo, a morte prematura do pai, aliada à morte do irmão, no ano seguinte, foram factos marcantes na vida de Pessoa, que não pôde aproveitar o passado nem voltar a vivê-lo, como procurou exaustivamente durante a sua existência e o demonstrou na poesia.

(“Quando as crianças brincam”/”Menino da sua mãe”/”Não sei, ama, onde era”)

FINGIMENTO POÉTICO

O poeta sente a dor, fingi-a e escreve-a tornando-a num poema.

Para F. Pessoa um poema é produto intelectual, pois não resulta do “momento da emoção”, mas sim da recordação. Esta temática está presente em poemas como “Autopsicografia” e “Isto”.

Encontra-se me pessoa ortónimo uma dualidade entre a sinceridade e o fingimento, o fingimento implica exprimir intelectualmente as emoções, no entanto o poeta fingidor que exprime chega a identificar-se com a sua própria poesia.

(“Autopsicografia”/”Isto”)



334 Visualizações 31/12/2016