O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Tatiana Rodrigues

Escola

Escola Básica e Secundária Sidónio Pais

Terrorismo

Resumo do trabalho


Terrorismo

Introdução

Nós escolhemos o tema terrorismo por ser um fenómeno que nas últimas décadas, mais visibilidade ganhou na sociedade e nos meios de comunicação. Para além de provocar amplas discussões e suscitar preocupações políticas e de segurança no mundo inteiro.

Neste sentido vamos abordar as origens e a problemática do terrorismo que tem vindo a ser desencadeada especialmente contra o chamado "Mundo Ocidental".

Como a expressão terrorismo passou a integrar a linguagem quotidiana em todo o mundo, é importante perceber mas afinal o que é o terrorismo.

O que é o terrorismo?

É um método que consiste no uso de violência ,por indivíduos ou grupos políticos, contra um país, um governo, uma classe dominante ou mesmo pessoas indeterminadas, com o objetivo de causar terror e fragilizar o poder estabelecido, de forma a tentar impor determinados objetivos, geralmente de ordem política;

Trata-se de um acontecimento que costumam incluir assassinatos, sequestros, atentados suicidas ou lançamento de bombas etc. e que ocorre sem estarmos à espera e que geralmente atinge onde terá mais impacto, como em grandes inventos internacionais.

Origem/História

Segundo alguns historiadores os atos e ataques terroristas tiveram início no século I d.C., quando um grupo de judeus radicais chamados de sicários, atacavam os cidadãos judeus e não judeus que eram considerados a favor do domínio romano;

Outros indícios que confirmam as origens remotas do terrorismo são os registos da existência de uma seita muçulmana no final do século XI d.C., que se dedicou a exterminar os seus inimigos no oriente médio.

Tipos de Terrorismo

terrorismo1

Terrorismo Aleatório

  • São todas as ações que se destinam a fazer um dano a um agente indefinido ou irrelevante;
  • Não existe um alvo estabelecido previamente;
  • Visa a propagação do medo geral na população, visa cansar a retaguarda, vencer por um sentimento geral de instabilidade;

Exs.: colocação de bombas em cafés, parques de estacionamento, metro, etc.

Terrorismo Seletivo

  • Visa um alvo reduzido limitado, específico e conhecido antes de efetuar o ato terrorista;
  • Visa a chantagem, vingança ou eliminação de um obstáculo;
  • Tem efeitos camuflados, e políticos e pretende pôr em causa uma determinada ordem;
  • Terrorismo religioso: Associado ao fundamentalismo e extremismo de membros de diferentes religiões, desde o islamismo ao cristianismo e ao judaísmo);
  • Terrorismo nacionalista:
  • Terrorismo de estado: consiste num regime de violência instaurado por um governo, em que o grupo político que detém o poder se utiliza do terror como instrumento de governabilidade;
  • Bioterrorismo: Terrorismo associado ao uso de armas químicas (libertação ou disseminação intencional de agentes biológicos, vírus ou toxinas).

Natureza do Terrorismo

As ações do terrorismo podem ser de diversas naturezas:
  • Atentados bombistas;
  • Desvio de aviões e navios;
  • Atos de sabotagem;
  • Sequestros e assassinatos de políticos, militares e civis.

Causas do Terrorismo

  • O desespero;
  • A guerra;
  • Xenofobia e racismo;
  • Fanatismo religioso;
  • Luta contra um regime opressor;
  • Nacionalismo.

Desespero

Quando a vida oferece dor e sofrimento, e uma pessoa já não vê sentido nela, o desespero leva a um sentimento de vingança e morte; Normalmente as causas para este desespero é a desigualdade (económica, social, étnica, etc.) que atualmente se vive todos os dias, pois um mundo injusto torna-se um mundo inseguro.

A Guerra

No meio de uma guerra, uma secção da população que se vê sem meios para entrar diretamente nela tenta atingir as forças opressoras com pequenos ataques terroristas.

Xenofobia e Racismo

No séc. XX na áfrica do sul havia um regime denominado de apartheid que subjugava e maltratava os negros. Um grupo de revolta - ANC - tendo como um dos líderes Nelson Mandela, lutava contra esse regime para que a igualdade de todas as etnias pudesse instituir-se. Era uma revolta armada, havendo vários atentados para infligir nas estruturas do regime. Esta era uma luta contra o racismo. Eticamente a luta de Nelson Mandela pela liberdade pode não ser considerada uma coisa boa, pois “os meios não justificam os fins”, mas será que o sofrimento que essa ação armada provocou foi alguma coisa comparada com que os negros sofreram durante anos no apartheid? NÃO Se repararmos que os fins destes atentados foram o melhor para os indivíduos e a sociedade, eticamente foi uma ação boa, pois como diz Stuar Mill: "a melhor ação é a que procura a maior felicidade para o maior número de indivíduos", se seguirmos um ponto de vista utilitarista. Um conjunto racista chamado Ku Klu Klan (E.U.A.) luta pela expulsão e extermínio de pessoas de outras etnias, nomeadamente os negros. É uma organização bastante agressiva, pois mata pessoas e destrói casas.

Fanatismo Religioso

Foi um dos principais motivos para a morte de milhões de pessoas durante toda a história da humanidade. O intercâmbio entre culturas e crenças é o que faz uma sociedade evoluir, ser dinâmica. Mas ao longo dos anos, muitas organizações religiosas tentaram forçar o contrário, criando doutrinas dogmáticas. Estas organizações armadas eram e são criadas não só com objetivos religiosos, mas políticos, económicos e territoriais. Atualmente o terrorismo islâmico é uma forma dos países do médio oriente mostrarem aos países ocidentais que não querem que eles interfiram nos seus governos e países, fazendo atentados contra estes.

Luta Contra um Regime Opressor

Quando um povo é ocupado ou chefiado por um regime opressor, cria-se um sentimento de revolta muito grande. Por vezes sem meios para atingir o sistema de outra forma, são criados grupos armados que atacam o regime com pequenos atentados nas suas infraestruturas. Um caso pouco conhecido é o caso da ARA (Associação Revolucionária Armada), uma secção do PCP (Partido Comunista Português), que no tempo em que o fascismo imperava em Portugal tentava através de pequenas ofensas armadas afetar o regime e lutar pela liberdade. Poucas mortes foram registadas, pois o objetivo não era matar pessoas nem criar terror na população, mas sim atingir o governo. “A diferença entre revolucionário e terrorista está no motivo pelo qual cada um deles luta. Isto porque, quem quer que assuma uma posição por uma causa justa e batalhe pela liberdade e pela libertação de sua terra jugo de invasores, assentadores e colonizadores não pode de modo algum ser chamado de terrorista.”

Nacionalismo

Um povo quer a sua independência e/ou libertação de alguma nação que o ocupou anteriormente. A ETA quer a independência da região do País Basco da Espanha e por isso fez e faz vários atentados bombistas para o conseguir.

Consequências do Terrorismo

Seja qual a causa que provoque o ataque, traz sempre consequências físicas e psicológicas:
  • Começo de novas guerras;
  • Faz com que haja um sentimento de xenofobia contra a etnia ou nacionalidade do terrorista;
  • Destruição e mortes, como em atentados bombistas, assassinatos, etc.;
  • Prejuízos;
  • Sensação de insegurança.

Influência dos Média

Atualmente somos influenciados por um sistema de comunicação muito potente – os média; É através deste que conhecemos o mundo, que sabemos o que se passa em qualquer lado; O “bom” do terrorismo na política, é que para alcançarmos certos objetivos económicos e políticos, os media só precisam de criar um inimigo de qualquer país, pois qualquer um em tempo de guerra pode ser considerado terrorista, pois a própria guerra é uma maneira de terrorismo.

Grupos Terroristas

Al Qaeda: São atribuídos diversos atentados a alvos civis ou militares na África, no Oriente Médio e na América do Norte, nomeadamente os ataques de 11 de Setembro de 2001, em Nova Iorque e em Washington; Euskadi Ta Askatasuna (ETA): grupo que pratica o terrorismo como meio de alcançar a independência da região do País Basco; Irish Republican Army (IRA): é um grupo que pretende a separação da Irlanda do Norte do Reino Unido.

Atentados Terroristas

17 de agosto de 2017 – Espanha: Um motorista avançou com um veículo contra a multidão em uma avenida do centro de Barcelona, deixando 16 mortos e mais de 100 feridos. No dia seguinte, cinco terroristas tentaram realizar outro atropelamento em massa em Cambrils, na Catalunha. Após 96 horas de fuga, Younes Abouyaaqoub, marroquino de 22 anos, autor do atentado, foi abatido a tiros por policiais. 22 de maio de 2017 – Reino Unido: Um suicida matou 22 pessoas e feriu dezenas em um ataque realizado durante o show da cantora pop americana Ariana Grande, no Manchester Arena. A maioria do público era composta por crianças e adolescentes. 22 de março de 2016 – Bélgica: Explosão de bombas no Aeroporto de Bruxelas e na estação de metro de Maelbeek deixaram 32 mortos e mais de 300 feridos. terrorismo2   terrorismo3

Locais escolhidos a dedo

  • Nice - em pleno julho, durante as celebrações da Bastilha, o Dia Nacional de França;
  • Berlim - em dezembro, na época do Natal, num mercado natalício da cidade;
  • Londres - a 22 de março, em ícones da cidade, a ponte de Westminster e o Parlamento, e precisamente um ano depois do atentado no aeroporto e metro de Bruxelas;
  • Barcelona - em pleno agosto, num ponto turístico por excelência durante todo ano e ainda mais no pico do verão, as Ramblas.
NOTA:
  • Berlim e Londres são capitais de países que também ocupam o pódio económico e político europeu;
  • Barcelona a segunda cidade mais importante de Espanha e capital da Catalunha.

Reflexão Filosófica

Se o ataque atingir apenas bens materiais e não pessoas, é considerado terrorismo? Poderá a política antiterrorista, especialmente utilizada pelos EUA, e muitas vezes considerada como politicamente correta, ser também ela um ato terrorista? Immanuel Kant A boa vontade – a vontade bem intencionada – é a única coisa neste mundo que tem valor absoluto, que vale independentemente das consequências das suas acções. Uma ação tem valor moral se for realizada única e simplesmente por dever. A vontade do sujeito que provoca o terrorismo não é bem intencionada e não é realizada por dever, mas para concretização própria. Logo, o terrorismo, segundo Kant, não é uma ação moralmente correta porque a sua intenção não é de boa vontade.

Bibliografia

  • https://www.dn.pt/mundo/interior/ataques-terroristas-na-europa-ocidental-dos-anos-70-ate-agora-5093935.html
  • http://www.tvi24.iol.pt/dossier/terrorismo-sobre-rodas/599c02220cf2cd913a0588f6
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Terrorismohttps://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/terrorismo



22 Visualizações 04/06/2019