O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Ana Correia

Escola

Escola EB 2,3 Padre Alberto Neto

25 de Abril

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Ana Correia e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Trabalho escolar sobre a revolução do 25 de Abril de 1974, realizado no âmbito da disciplina de História (9º ano).


Cravo

O cravo tornou-se no símbolo da Revolução de Abril de 1974; Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, apoiando os soldados revoltosos; alguém (existem várias versões, sobre quem terá sido, mas uma delas é que uma florista contratada para levar cravos para a abertura de um hotel, foi vista por um soldado que pôs um cravo na espingarda, e em seguida todos o fizeram), começou a distribuir cravos vermelhos pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das espingardas.

O 25 de Abril visto 33 anos depois

O 25 de Abril de 1974 continua a dividir a sociedade portuguesa, embora as divisões estejam limitadas aos estratos mais velhos da população que viveram os acontecimentos, às facções políticas dos extremos do espectro político e às pessoas politicamente mais empenhadas. A análise que se segue refere-se apenas às divisões entre estes estratos sociais. Em geral, os jovens não se dividem sobre o 25 de Abril.

Existem actualmente dois pontos de vista dominantes na sociedade portuguesa em relação ao 25 de Abril.

Quase todos, com muito poucas excepções, consideram que o 25 de Abril valeu a pena. Mas as pessoas mais à esquerda do espectro político tendem a pensar que o espírito inicial da revolução se perdeu. O PCP lamenta que a revolução não tenha ido mais longe e que muitas das conquistas da revolução se foram perdendo. As pessoas mais à direita lamentam a forma como a descolonização foi feita e lamentam as nacionalizações.

O meu primeiro dia de liberdade

Por poucos minutos não assisti, ao vivo, na madrugada libertadora do 25 de Abril, à tomada do Rádio Clube Português. Passei pela rua pouco antes da chegada dos militares, longe de imaginar o que estava prestes a acontecer. Nessa época, entre ensaios e espectáculos no Grupo de Teatro de Campolide, nunca ía cedo para casa.

Já em casa, acordei horas depois com a minha mãe ao telefone. “Já sei da “caldeirada”, ouvi na rádio”-  dizia ela ao meu pai que, mal chegara ao trabalho, inquieto com os acontecimentos, telefonou logo para casa a contar o que se passava.

Devo ter pensado cá para mim: Ups, temos caldeirada para o almoço?... Nesses anos de juventude eu não morria de amores por peixe, os meus amores eram outros....

Já desperta, a minha mãe informa-me que um movimento de militares eclodira para derrubar o governo. Confesso que não fiquei muito surpreendido. Pelos círculos do teatro independente por onde andava, em especial depois do fracassado “Golpe das Caldas”, um mês antes (16 de Março), sucediam-se conversas e zunzuns sobre movimentações.

As palavras da minha mãe espantaram-me o sono das poucas horas dormidas. Recordo-me que tive a intuição que aquele movimento era o início de algo maior. A dúvida que me assaltou foi só uma: se o golpe vinha do sector democrático ou dos ultra conservadores de direita que criticavam a abertura marcelista.

Contra todos os avisos maternos de preocupação, saltei para a rua e fui ver a marcha dos acontecimentos, viver a Revolução.

Foi um dia de emoção total, de loucura completa. Observar as movimentações militares, sentir-me irmanado com um mar de gente que enchia as ruas e largos de Lisboa onde se desenrolavam as principais operações, falar com este e com aquele, partilhar informações sobre o que estava a acontecer... Recordo-me que as pessoas falavam todas umas com as outras mesmo sem se conhecerem. Nunca vou esquecer a alegria esfuziante das populações que adivinhavam naqueles acontecimentos a vitória da liberdade com que muitos sonhavam, em segredo, há longas décadas.

Alegria e liberdade são as duas palavras que, para mim, melhor definem o sentimento e espírito daquele dia 25 de Abril, há trinta anos.

Não sei a que horas regressei a casa. Tardias, tenho a certeza.

Mas que interessa as horas? Era o meu primeiro dia de liberdade....



82 Visualizações 08/12/2019