O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Francisco Manuel dos Reis

Escola

[Escola não identificada]

Alimentos Trangénicos

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Francisco Manuel dos Reis e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Trabalho sobre alimentos trangénicos (ou geneticamente modificados), realizado no âmbito da disciplina de Geografia (8º ano).


Alimentos Trangénicos

Alimentos transgénicos ou geneticamente modificados são plantas cujos genes são alterados em laboratório de forma distinta do que o ambiente natural habitualmente altera. Estes alimentos são modificados geneticamente de forma a fazerem desses mesmos alimentos, seres vivos mais resistentes e com outras qualidades não habituais na Natureza. Estes genes que lhes são inseridos podem conceder-lhes resistência contra insectos (como o milho Bt que previne contra a bicha-do-milho ou alfinetes), herbicidas ou mesmo temperaturas baixas.

Actualmente, o cultivo destes alimentos não está de todo autorizado no continente europeu. O caso mais conhecido é o milho produzido na Espanha, o chamado milho Bt, que foi autorizado em 1998, sendo que este milho protege contra a bicha-amarela, insecto que frequentemente destrói plantações de milho. Pensa-se que 6% do milho plantado no território de nuestros hermanos é geneticamente modificado.

Para além do milho, há mais 17 espécies transgénicas permitidas na Europa tais como a colza, endívias, tabaco e craveiros. Noutros países, como os Estado Unidos da América, é produzida soja geneticamente modificada, usada para rações de animais. 81% da soja deste país é, aliás, transgénica. Para além disso, cerca de 3 quartos do algodão dos EUA é também geneticamente modificado sendo que 40% do milho está também nestas condições.

No México, por exemplo, o algodão transgénico é também permitido. No Brasil, é também plantada soja geneticamente modificada, apesar desta ser sem autorização.

Alimentos Transgénicos

Peritos, entendem que a agricultura biotecnológica por si só não é um problema e cada caso tem se ser acompanhado especificamente porque, indicam estudos da Royal Society de Londres, a beterraba transgénica provoca mais danos ambientais do que a natural mas em contrapartida, o milho transgénico é bem melhor para a Natureza do que o natural.

O que é facto é que os transgénicos quando colocados na Natureza, jamais serão retirados e é por isso que devemos tomar muitas precauções quando o fizermos e devemos ter a certeza daquilo que afecta ou não negativamente o ambiente.

Marcas alimentares conhecidas como a Kellog´s, Maggi, Nestelé, Champion, Knorr ou Parmalat usam produtos geneticamente modificados. Mas os animais são aqueles que consomem mais alimentos transgénicos. Pedrigree, Whiskas ou Friskies usam também produtos geneticamente modificados.

A verdade é que até hoje, sabe-se que estes produtos provocam perda de biodiversidade e, a nós humanos, as alergias, principalmente em relação aos mais novos, são frequentes. Para além disso, é previsível que os trangénicos provoquem substâncias tóxicas ao homem. Até os medicamentos, como a insulina, são geneticamente modificados.

Podemos concluir que ainda não sabemos muito sobre estes produtos e, por isso, não devemos tirar elações erradas sobre estes. Resta-nos aguardar por dados científicos mais concretos que nos possibilitem formular uma opinião mais correcta.

Mas como normalmente o ser humano tem medo do desconhecido, talvez eu tenha alguma dificuldade em aceitar os transgénicos, precisamente por não saber se estes são prejudiciais à saúde apesar de, provavelmente já ter ingerido alguns alimentos geneticamente modificados.



16 Visualizações 19/07/2019