O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Maria Teixeira

Escola

Escola EB 2,3/S de Pinheiro

Análise do Episódio d’Os Lusíadas, “A Tempestade”

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Maria Teixeira e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Resumo/Apontamentos sobre o Episódio d'Os Lusíadas "A Tempestade", realizado no âmbito da disciplina de Português (9º ano).


Nota: Insere-se nos Planos da Viagem e Mitológico, é um episódio naturalista, porque se trata de um fenómeno da Natureza.

A descrição da tempestade poderá ser dividida em três momentos:

1º momento (est.70 à 84): Camões terá aproveitado a sua própria experiência de viajante e naufragou para descrever de uma forma bastante realista a tempestade. Na impossibilidade de fazer o que quer que fosse Vasco da Gama pede ajuda a Deus.

2º momento (est. 85 à 91): Vénus desce ao mar e manda as Ninfas embelezarem-se. Estas, seduzindo os ventos, conseguiram acalmar a tempestade.

3º momento (est. 92/93): Quando a tempestade termina, os portugueses avistam a Índia. Vasco da Gama, de joelhos, agradece a Deus a ajuda prestada.

Principais argumentos utilizados por Vasco da Gama na sua suplica a Deus:

- A omnipotência divina (Deus já ajudara outros povos em dificuldades)

- Os portugueses estão ao serviço de Deus (vão espalhar a fé cristã por terras desconhecidas)

- É preferível uma morte heróica e conhecida em África a combater, do que uma morte devido a um naufrágio anónimo, sem honras, nem vitórias.

- Os sinais que alertam a proximidade da tempestade são o vento e a nuvem negra.

- O mestre manda amainar, ou seja, tomar ou carregar as velas mais altas, atirar tudo ao mar e dar à bomba.

- Os verbos utilizados para transmitir as ordens são: “amaina” e “alija”

- O responsável pela tempestade foi Baco, que não queria que os portugueses chegassem à Índia.

- A tempestade provocou efeitos terríveis, ela fez com que as naus ficassem muito estragadas, o que provocou uma grande aflição aos portugueses. Elementos textuais que podem ilustrar esta afirmação são: “Quebrando leva o mastro pelo meio,/Quase toda alagada; A gente chama/ Aquele que a salvar o mundo veio.”

- As expressões que traduzem a violência da tempestade são: “Mostra a possante nau, que move espanto.” e “Vendo que se sustém nas ondas”.

- Os versos que traduzem o estado de espírito de Vasco da Gama são: “Ora com nova fúria do céu subia” e “Confuso de temor, da vida incerto”.

- O pedido de Vasco da Gama não foi atendido. A tempestade não acalmou.

- A responsável pelo fim da tempestade foi Vénus.

- Expressões que comprovam a bonança da tempestade são: “E logo à linda Vénus se entregavam/ Amansadas as iras e os furores/ De lhe serem leais esta viagem”

Figuras de estilo

Estrofe Nome da figura de Estilo Exemplo
75 Perífrase “Aquele que a salvar o mundo veio”
71 Anáfora “Em pedaços a fazem cum ruído/ Que o Mundo pareceu ser destruído”
84 Comparação “… os ventos, que lutavam/ como touros indómitos”
81 Apóstrofe “Divina Guarda, angélica, celeste”
78 Antonomásia “O grão ferreiro sórdio que obrou”
84 Personificação “…os ventos, que lutavam/..bramando…/Pela exárcia, assoviano.”
72 Anáfora “Alija (disse o mestre rijamente),/ Alija tudo ao mar”
86 Hipérbole “Estas obras de Baco são, por certo,”
81 Dupla Adjectivação “…o segundo/Povoador do alagado e vácuo mundo”
71 Dupla Adjectivação

“Quanto se dá a grande súbita procela”



96 Visualizações 12/01/2020