O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Auto da Barca do Inferno: Cena do Parvo

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Daniela Nunes e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Resumo/Apontamentos sobre a Cena do Parvo da obra "Auto da Barca do Inferno" de Gil Vicente, realizado no âmbito da disciplina de Português (9º ano).


Cena IV- O PARVO

1 - Na cena do Joane ( Parvo) não há elementos de acusação, só de defesa . O Anjo afirma que  tudo o que o Parvo fez de errado  foi sem intenção e sem maldade “ per malícia nom erraste”. O Anjo afirma que Joane pode entrar na sua barca , mas que espere, para ver se vem mais alguém igualmente merecedor.

2 - O Parvo não entrou em nenhuma das barcas, mas limitou-se a ficar à entrada de uma delas, a barca da Glória, para poder criticar todos os que lá apareciam.

3 - Esta personagem simboliza os simples, os ingénuos, os que socialmente não têm representação. A personagem errou, contudo não o fez com consciência, como tal não merece castigo.

4 - O Parvo é caracterizado pelo cómico de personagem, de linguagem e de situação.

5 - Joane utiliza uma linguagem de tipo calão, corrente e popular.

II- Interpretação da cena IV

1 - O parvo não se caracteriza por objectos, porque não é uma personagem tipo e, para além, disso não lhe foi atribuída qualquer representação social.

2 - As únicas referências à vida passada do Parvo são as falas do Anjo que referem que as suas más acções, nessa altura, foram realizadas sem intenção.

3 - A passagem, por parte do Diabo, de acusador para acusado é: se anteriormente era o Diabo que acusava todos os que passavam pela sua barca dos feitos que fizeram, no entanto quando surgiu o Parvo foi este que pôde acusá-lo e o Diabo, por sua vez, nada tinha a apontar-lhe, por isso inverteram-se os papéis referidos.

4 - O Anjo defende o Parvo dizendo que tudo o que este fez na terra foi sem intenção, sem malícia e que por isso podia entrar na Barca da Glória.

5 - A linguagem do Parvo é uma linguagem de tipo calão, com palavras características como por exemplo “caganita de coelha”, “mija na agulha” e “cornudo”.

6 - “ De pulo ou de voo” é uma expressão que indica a forma de entrar na Barca. “ Samica Alguem” é uma expressão que mostra que o Parvo tem consciência que não pertence a nenhuma classe social.

7 - O texto tem relevância pois transcreve a vida do parvo na idade média.

III- Interpretação da cena V

1 - Os símbolos que o Sapateiro apresenta são o avental e as formas. O avental caracteriza o trabalho e as formas simbolizam o roubo.

2 - O sapateiro recorre a um tipo de linguagem corrente e calão  para passar a ser uma pessoa que não era e entrar na Barca da Glória.

3 - É aqui apresentado o critério de Gil Vicente.

4 - Este texto tem relevância pois caracteriza as classes da idade média.

5 - Na cena do sapateiro, ele é acusado de ser aldrabão e da falsa vivência da religião (diabo e anjo).

De defesa ele diz que foi a muita missa, comungou sempre e também se confessava.



66 Visualizações 03/11/2019