Your Country

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Sydney Pamplona

School

Escola Estadual Cidadã Integral Técnica Prefeito Oswaldo Pessoa

Escola Jônica

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Sydney Pamplona e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Trabalho acadêmico sobre o tema 'A Escola Jônica' realizado para a disciplina de Matemática do 2º ano do Ensino Médio...


No estudo da história da filosofia, os primeiros filósofos são chamados de présocráticos. Apesar de passar a ideia de que existiram antes de Sócrates, o termo présocrático indica uma tendência de pensamento, estando relacionado também com filósofos que viveram na mesma época de Sócrates e até mesmo depois dele.

Aquilo que une os filósofos pré-socráticos é a preocupação em perguntar e compreender a natureza do mundo. Queriam entender a origem, aquilo que originou todas as coisas, o princípio delas. Os filósofos pré-socráticos são divididos em escolas do pensamento: Escola Jônica, Escola Itálica, Escola Eleática, Escola Atomística entre outras que variarão de acordo com o local e problemas discutidos por seus pensadores.

Aqui falaremos da Escola Jônica.

ESCOLA JÔNICA

A Escola Jônica é a primeira do período naturalista, centrada na cidade de Mileto, na Jônia, nos séculos VI e V a.C. A escola jônica tinha foco em achar a substância única, a causa, o princípio do mundo natural o múltiplo e mutável. Embora a Jônia tenha sido o centro da filosofia ocidental, os filósofos que ela produziu, incluindo Tales de Mileto, Anaximandro de Mileto, Anaximenes de Mileto, Heráclito de Éfeso e Anaxágoras, tinham pontos de vista tão divergentes que não se pode dizer que tenham pertencido a uma escola filosófica específica. Aristóteles os chamou de physiologoi, significando “aqueles que discursavam sobre a natureza”, porém jamais os classificou numa “escola Jônica”.

Por vezes são designados como cosmologistas, já que quase todos eram fisicalistas que tentavam explicar a natureza de como se comportava a matéria.

Tales de Mileto (623 a.C. - 546 a.C.)

Tales de Mileto foi o primeiro filósofo e fundador da Escola Jônica. Tales foi o primeiro a deixar de lado o pensamento mítico para formular um pensamento na razão. Ele acreditava que tudo se originava da água: quando denso se transformaria em terra, quando aquecida se tornaria vapor e após resfriar retornaria ao estado líquido, garantindo a continuidade do ciclo. Embora nem todos os seus seguidores concordassem com isso, eles acreditavam no “princípio único” da natureza primordial.

Tales também foi o primeiro a explicar o eclipse solar que, segundo Heródoto, ele teria previsto um eclipse solar em 585 a.C. Esse acontecimento marcaria o início e desenvolvimento da filosofia, de acordo com Aristóteles.

Anaximandro de Mileto (610 a.C. - 547 a.C.)

E se Tales acreditava que tudo se originava da água e suas transformações elementais, seu discípulo Anaximandro de Mileto já acreditava em outra coisa. Ele acreditava que o princípio de tudo era a matéria Ápeiron, isto é, uma matéria infinita da qual todas as outras se cindem. Esse ápeiron é algo insurgido (não surgiu nunca, embora exista) e imortal. Além de definir o princípio, Anaximandro se preocupa em como e qual o motivo das coisas todas que saem do princípio. Ele diz que o mundo é constituído de contrários, que se autoexcluem o tempo todo. O tempo é o “juiz” que permite que hora exista um, hora outro. Por isso, o mundo surge de duas grandes injustiças: primeiro, da cisão dos opostos que “fere” a unidade do princípio; segundo, da luta entre os princípios onde sempre um deles quer tomar o lugar do outro para poder existir.

Anaximenes de Mileto (585 a.C. - 528 a.C.)

E se Anaximandro, discípulo de Tales, acreditava que tudo se originava de uma única matéria, seu discípulo Anaximenes de Mileto tinha outra explicação. Ele acreditava que era o AR o princípio que originava todas as coisas no universo. Conforme seu pensamento, por um processo de condensação, o AR se transformava em objetos líquidos e sólidos (pedras, metais, terra, água e etc.). E por outro processo, a rarefação, o AR se transformava em gases, ventos, oxigênio e fogo. Anaximenes praticou o materialismo monista e escreveu a obra “Sobre a natureza”, em prosa, o qual garantiu sua fama. Dedicou-se especialmente à meteorologia e foi o primeiro a afirmar que a luz da Lua é proveniente do Sol.

Heráclito de Éfeso (535 a.C. - 475 a.C.)

Dessa vez não é mais um discípulo de Mileto. Para Heráclito de Éfeso, tudo o que existe está em permanente mudança ou transformação. O mundo nunca permanece idêntico e tudo se transforma no seu contrário. “A guerra é mãe e rainha de todas as coisas”. É da luta entre os contrários que eles se harmonizam numa unidade. Os filósofos de Mileto haviam percebido o dinamismo das mudanças, mas foi Heráclito quem problematizou a physis (resumindo em uma palavra seria algo como a natureza).

Referências

  • http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/filosofia/presocraticos.htm
  • http://fscastro.blogspot.com.br/2008/06/escola-jnica.html
  • http://faculdadedehistoria.blogspot.com.br/2011/05/da-escola-jonica-aristoteles.html
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Escola_j%C3%B4nica
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Tales_de_Mileto
  • http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/anaximandro.htm
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Anaximandro
  • http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/anaximenes.htm
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Anax%C3%ADmenes_de_Mileto
  • http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/heraclito.htm
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Her%C3%A1clito
  • http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/anaxagoras.htm
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Anax%C3%A1goras



18 Visualizações 12/09/2019