O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Alexandre Reis

Escola

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas

Conto Sr. Nicolau (Projeto de Leitura)

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Alexandre Reis e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Projecto individual de leitura sobre o conto "O Sr. Nicolau", realizado no âmbito da disciplina de Português (11º ano).


Introdução

Este trabalho surgiu no âmbito da disciplina de literatura, tendo como visão a autonomia e produção textual pessoal, portanto é a isso que me proponho neste projeto individual de leitura.

Vou então analisar de acordo com os parâmetros estipulados o conto que me foi atribuído pela professora.

Conto

O Sr. Nicolau

O pai queria fazer dele um homem. Por isso, mal o pequeno acabou a 4.ª classe em Pedornelo, Guimarães com ele!

Mas não havia padre Macário capaz de endireitar semelhante criatura. Nem a puxões de orelhas e a golpes de régua se conseguia evitar que o rapaz saltasse a toda a hora pelas janelas do colégio e desaparecesse pelas serras a cabo, aos grilos. Trazia já o vício da terra; mas, com a idade, em vez de a coisa melhorar, piorava.

De palha na mão, era vê-lo à torreira do sol. Metia a sonda em cada agulheiro que encontrava, punha-se a esgravatar, a esgravatar, e o pobre do habitante do buraco não tinha outro remédio senão vir à tona.

Só quando o estômago dava horas das grandes regressava a casa com vinte ou trinta bichos daqueles. O reitor mandava-o ir ao gabinete, punha-lhe a cara num pimentão, mas de pouco valia. No dia seguinte, lá fugia ele outra vez.

Tinha o quarto transformado em viveiro. Em vez de retratos de atrizes e de cowboys, gaiolas de todos os tamanhos dependuradas nas paredes, com folhas de alface e de serradela metidas nas grades. E era num tal cenário que o prefeito o encontrava - quando o encontrava -, abstrato, alheado, fora do mundo.

- A lição?

- Estou a estudá-la...

Na aula a seguir é que a coisa se via: um estenderete!

Contudo, como inexplicavelmente na cadeira do Dr. Rodrigues só tirava vintes, e o professor gorava de grande prestígio entre os colegas, ano sim, ano não, lá passava. A nota de Zoologia podia muito. E os outros mestres, apertados, davam o 10 e desabafavam:

- Vá lá... Como sabe tanto de grilos...

- No fim do curso do liceu, Coimbra. Para médico. O pai sonhava com ele em Pedornelo a curar maleitas.

Mas quando, ao cabo de seis anos, o velho julgava que tinha ali o Paracelso dos Paracelsos, a folha corrida do rapaz registava apenas uma enigmática distinção em ciências naturais e reprovações no resto.

Deus não quis, todavia, matar o santo homem com a punhalada duma desilusão. Nas vésperas de o cábula regressar, mandou-lhe piedosamente uma broncopneumonia, que o levou desta para melhor, juntamente com as esperanças que depositara no filho.

E foi assim, herdeiro das ricas terras do pai, e com a Arca de Noé sabida de cabo a rabo, que o Sr. Nicolau voltou definitivamente a Pedornelo.

Andava então pelos trinta anos. Alto, seco, pálido, delicado, veio pôr na veiga e nos montes da terra uma nota que até ali não havia: a mancha lírica dum cidadão de guarda-sol branco a caçar bicharocos.

- O Sr. Nicolau passou bem?

- Bem, muito obrigado, tio Armindo...

E abaixava-se a agarrar uma louva-a-deus. Tirava um frasco do bolso, pegava na infeliz com mil cuidados, não lhe fosse quebrar um braço, e bojo do vidro com ela.

A princípio, todos arregalaram os olhos, num justo e desconfiado espanto. No que dera o filho do Sr. Adriano Gomes! Mas apenas lhes arrendou, por umas cascas de alho, os bens de que passara a ser dono, e o viram contente com a transação, mudaram de ideias e puseram-se a vender-lhe quantos insetos havia nas redondezas. Bastava chegar ao pé dele e mostrar-lhe uma joaninha, para que a comprasse logo por um tostão. De modo que semelhante maluqueira era uma mina, vista por qualquer lado.

Só o mestre-escola, o velho Sr. Anselmo, que já na instrução primária se vira e desejara para meter naquela cabeça tonta as contas de multiplicar, se mostrava renitente na aceitação de tão grande desgraça. E, quando acabou por dar o braço a torcer, foi desta maneira:

- Enfim, do mal o menos. Se lhe dá para colecionar burros, tínhamos a aldeia transformada numa estrebaria...

Mas o Sr. Nicolau resistia a tudo. Às ironias do antigo professor e ao egoísmo do povo. E, mal o sol apontava na serra de Alijo, lá ia ele pelos restolhos fora.

Vivia sozinho. Além da Gertrudes, que vinha de vez em quando lavar-lhe a roupa e fazer-lhe um caldo, ninguém mais lhe entrava em casa, a não ser pelo S. Miguel, na altura do pagamento das rendas. Viam-no então no escritório, entre grandes armários, onde, desde as pulgas às carochas, dormiam o sono eterno quantos seres a sua paciência e os seus vinténs conseguiram agarrar em Pedornelo e cercanias.

Tinha-os em caixas de papelão, aos centos, em fila, catalogados e suspensos num alfinete que lhes entrava nas costas e saía na barriga. Havia-os de todos os tamanhos e de todas as cores possíveis. Grandes, pequenos, pequeninos, amarelos, brancos, pretos, azuis, vermelhos, um ou dois de cada qualidade e de quantas qualidades fora capaz a imaginação divina.

Calmamente, amorosamente, à medida que o tempo andava, crescia o cemitério. E, calmamente, o coveiro, o Sr. Nicolau, ia envelhecendo entre os mortos.

O seu mundo fechara-se ali, concêntrico, sem horizontes, murado pelas estantes envidraçadas, onde o sonho se conservava em naftalina. As nações desabavam, sucediam-se guerras, a própria aldeia oscilava nos gonzos. Mas o senhor Nicolau, alheio às paixões humanas, continuava a povoar os dias de libélulas e borboletas.

A certa altura, o boateiro do Fagundes lançou a atoarda do próximo casamento do lunático.

- E com quem? - perguntou o professor, carregado de inocência.

Mas como ninguém lhe soube dizer o nome da noiva, rematou ele:

- Talvez com alguma lesma... E bem é. Fica tudo em família. A balela foi por assim dizer o derradeiro sinal que Pedornelo deu de que não se esquecera inteiramente da vida social do Sr. Nicolau. Porque, apenas o mestre disse a ironia, e todos acabaram de se rir à vontade, o desgraçado saiu da lembrança da povoação. Logo a seguir, quando passavam, ou já nem o cumprimentavam, ou lhe davam os bons-dias com o mesmo automatismo com que tiravam o chapéu, às Trindades. Nem que ele atravessasse o largo com uma ruga funda e desesperada na testa, se lembravam de o lamentar. O nome do amalucado, agora, significava o mesmo que carrapato, ralo, formiga ou coisa assim.

Era um bicho. Um inofensivo bicho, igual aos milhares quê tinha no escritório embalsamados.

Às vezes, a ruga tinha profundidade. Minava-o um desgosto tão verdadeiro como o de qualquer vizinho aflito com os estragos de uma trovoada. Mas cinquenta anos de alheamento coletivo tiravam-lhe o direito de ser compreendido por homens. Quem podia admitir que fossem motivo de desespero a tenaz quebrada dum besoiro ou qualquer sinal de traça numa bicha-cadela?! A sensibilidade de Pedornelo não reagia aos estímulos de tão subtis calamidades. Ali, a respeito de sofrimento, entender, só fome, febres e facadas.

Quis finalmente o Dr. Saul olhar aquele ser como habitante da terra e criatura de Deus. Chamado à pressa pela Gertrudes, que fora encontrar o velho encolhido como um feto no sofá do escritório, veio, auscultou, tomou o pulso, pôs o termómetro, e resolveu por fim entrar pelo corpo dentro do moribundo com uma agulha que lhe enterrou na espinha.

Mas o sr. Nicolau, agora, estava de todo integrado no destino dos seus companheiros. Delirava. Sentiu vagamente a dor na coluna, lembrou-se do que tinha feito aos milhares de irmãos, e pensou:

- Má técnica... Era éter acético primeiro, e só então... Oxalá não se esqueça ele ao menos de escrever no rótulo, corretamente, o meu nome em latim...

E daí a nada, depois da última contração, sereno e de olhos fechados, ali ficou quieto e feliz, à espera que o metessem na sua caixa.

Texto Critico

Neste conto podemos comprovar que existem homens, que se sentem melhor circundados pelos animais: “O seu mundo fechara-se ali, concêntrico, sem horizontes, murado pelas estantes envidraçadas, onde sonho se conservava em naftalina. (…) Mas o senhor Nicolau, alheio às paixões humanas, continuava a povoar os dias de libélulas e borboletas.“

Miguel Torga mostra vários momentos da vida humana, os sofrimentos, a tristeza, a morte, a amizade, a esperança, a desilusão… E, através dos protagonistas humanos, que às vezes saem fora das convenções, dadas pelas regras humanas, faz-nos lembrar, que todos somos bichos, e sofremos as mesmas influências e temos que lutar pela nossa liberdade. Todos somos do mesmo mundo, que nos protege contra os desagrados do nosso Criador, da Natureza. O conto insere-se dentro de uma mundivisão própria do rural português, um meio geocultural e um determinado modo de ver, entender, classificar e atuar no mundo. Este conto não é uma fábula, nem reclama miticismo. Faz parte de uma elaborada tradição de relacionamento com a natureza e os animais por parte dos seres humanos que habitam lugares como Trás-Os-Montes, a partir da qual Torga ficcionaliza. As leituras mitificantes, provenientes de receções hetero-espaciais, hetero-temporais e, já, hetero-culturais, partem essa ponte recetiva. O que podia ser interpretado como o conjunto mais realista dos contos de Torga, na minha opinião o conto “Sr. Nicolau”, apresenta também ele elementos recetivos inclinados a distorcer a geocultura que os apoia. Isto revela algumas coisas sobre a nossa atual sociedade, que as suas leituras estão geralmente ajustadas a um mundo urbano, escolar, presidido pelas novas tecnologias, por vezes intelectualizado e sem a vivência do rural, sem o contato com a natureza, nos dias de hoje as crianças e os jovens cada vez se isolam mais do mundo exterior. E tudo aquilo que geralmente envolve dedicação, e cada vez mais aquilo que se encontra a desaparecer.

Identificação do tema desenvolvido

Na minha opinião, este livro sensibiliza bastante o leitor, unindo uma realidade nos dias que hoje correm, com a sua causa, o que levou a essa mesma, de uma maneira não tão direta, mas eficaz, de modo a emocionar quem o lê, a ideia principal deste livro centraliza-se numa oposição entre a vida e a cultura de uma sociedade, através da apresentação de animais com o sentir humano e vice-versa; uma irmandade entre homens e os animais. São Bichos animais e Bichos homens que se entrelaçam nas páginas deste conto. Bichos personagens, mas sentindo e agindo como se de humanos se tratassem, amizade, amor, sucedem-se pelo conto, sendo tratados como uma lição essencial de vida. O tema aqui tratado é o amor pela natureza e como um só homem pode fazer toda a diferença em mostrar todo o maior que sente pelas criaturas, os insetos, que muitos detestam, também o facto de nunca se desistir daquilo que realmente se gosta por mais que os outros não o considerem correto gostar. O tema para mim é a amizade visto que o Sr. Nicolau considerava os bichos seus amigos, e arranjava sempre de tratar deles.

Categorias da narrativa

O texto é uma narrativa aberta, está escrito em prosa e tem como característica a ficção, é uma narrativa de ficção.

O narrador caracteriza-se por ser heterodiegético e omnisciente visto ter um conhecimento de todos os factos; o tempo está por ordem linear e o tempo histórico podemos defini-lo por ser de um passado não muito distante em que o mundo rural ainda prevalecia mas ao mesmo tempo um tempo de viragem na história; o espaço num primeiro plano é Guimarães, depois após ter herdado um terreno mudou-se para a aldeia, aparentemente a sua verdadeira terra; os modos de expressão utilizados neste conto são a narração, a descrição, o diálogo.

O tamanho do conto - uma narrativa curta - limita à partida a variedade e extensão da análise de todos os elementos característicos da narrativa. Compreende-se desta forma a razão de haver poucas personagens, quase sempre planas: não há espaço para as explorar convenientemente. Também, por isso, recorre-se à descrição apenas quando é indispensável à progressão da ação. No entanto, é preciso recordar que estamos a referir características gerais. Neste conto é possível encontrar diálogo que tem uma importância e onde a descrição assume o destaque.

Rescrição do texto

A boca selada pode salvar a vida.

Era um pai que não se cansava de dizer aos filhos: - "Boca calada! Terem a Boca calada pode-vos salvar a vida!". Um dos filhos guardou bem o conselho e saiu pelo mundo. Uma vez ele entrou numa casa, onde viu uma mulher enterrada no chão até a cintura. Ficou com muita vontade de falar, de perguntar porque era aquele castigo. Mas quando ia abrir a boca, lembrava-se do conselho. O homem da casa, então, começou a provocar o pobre rapazinho:

- Pergunta porquê que ela está enterrada..

Acontece que esse homem matava quem perguntasse alguma coisa. O menino não dizia nada. Por fim, o homem rendeu-se. Ajoelhou-se perante a mulher, pediu-lhe perdão e desenterrou-a, dizendo que aquele rapaz tinha muita integridade.

Este conto relaciona-se com o conto do sr. Nicolau porque ambos não deixaram de acreditar. E devido à sua persistência, colheram os frutos disso mesmo.

Conclusão

Ao realizar este trabalho tive a oportunidade de reavivar a minha memória em relação a parâmetros que já não tinha tão presentes, tirei uma vasta informação pessoal porque aprendi a ver e apreciar as coisas de forma diferente, penso no entanto que o trabalho podia ter sido um pouco mais complicado de maneira a elevar os nossos conhecimentos mas fico contente com o conteúdo que pude retirar com este.

Bibliografia

  • http://contosdeaula.blogspot.pt/2008/12/o-senhor-nicolau.html;



9 Visualizações 25/02/2020