O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Cláudia Berenguer

Escola

[Escola não identificada]

Guerra nas Trincheiras

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Cláudia Berenguer e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Trabalho escolar sobre a guerra nas trincheiras e o dia-a-dia dos soldados nas trincheiras, realizado para a disciplina de História (9º ano).


A Guerra nas trincheiras

Em Outubro, as linhas de trincheiras de alemães e Aliados já se estendiam pelo nordeste da França, desde o canal da Mancha até a fronteira com a Suíça. Centenas de milhares de soldados permaneciam durante meses dentro de túneis e canais, que logo se transformaram em complicadas redes de defesa.

As trincheiras tinham protecção de arame farpado, às vezes electrificado, acima do qual havia torres com metralhadora. Enormes túneis faziam a comunicação entre os vários pontos da rede.

O dia-a-dia

A vida nas trincheiras era horrível. Quando chovia, o que é comum na região, os túneis inundavam. E os soldados tinham de lutar, comer e dormir por semanas com os uniformes encharcados. Havia lama pot todos os lados, às vezes atingindo até o peito dos homens. Eles não podiam manter-se aquecidos, e as doenças se espalhavam, matando milhares de pessoas diariamente. Para combater, os vivos sofriam com os piolhos, enquanto os ratos se alimentavam dos cadáveres.

As trincheiras protegiam as tropas contra os tiros de rifles e metralhadoras, mas eram pouco eficazes contra projécteis de artilharia. Durante os ataques, os feridos ficavam no campo de batalha até a noite, quando as patrulhas de resgate podiam procurá-los com menos perigo. Para muitos, já era tarde demais.



3 Visualizações 08/11/2019