O teu país

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod


Beatriz Peixoto

Escola

Escola Salesiana de Manique

Vida e Obra de Gil Vicente

Todos os trabalhos publicados foram gentilmente enviados por estudantes – se também quiseres contribuir para apoiar o nosso portal faz como o(a) Beatriz Peixoto e envia também os teus trabalhos, resumos e apontamentos para o nosso mail: geral@notapositiva.com.

Resumo do trabalho

Trabalho escolar sobre A Vida e Obra de Gil Vicente, realizado no âmbito da disciplina de Português (9º ano).


Introdução

Gil Vicente é considerado o primeiro grande dramaturgo português. Alguns identificam-no com ourives, autor da Custódia de Belém, com o mestre de retórica do rei Dom Manuel.

Sabe-se que Gil Vicente não se limitou a escrever peças de teatro, era também músico, actor e encenador. É considerado, de uma forma geral, o pai do teatro português, ou mesmo do teatro ibérico, visto que escrevia em castelhano.

A sua obra é vista como um reflexo da mudança dos tempos, da passagem da Idade Média para o Renascimento. As hierarquias e regras rígidas eram tidas em consideração em cada uma das suas obras, salientando assim o facto da mudança para uma sociedade onde se começa a demolir a ordem instituída ao questioná-la.

Considerado o principal representante da literatura, a sua escrita influenciou a cultura popular portuguesa.

Vida

Naturalidade

Gil Vicente permanece um mistério em relação à sua naturalidade e data de nascimento. Aquela que se acredita ser a data mais aproximada do seu nascimento é 1466, no entanto, desde de 1965, quando decorreram festividades para comemorar o quincentenário do nascimento do mesmo, que se aceita de forma quase que unânime a data de 1465 como sendo a correcta.

Quanto à sua terra natal, alguns afirmaram ser Barcelos (Frei Pedro de Poiares), outros Guimarães (Pires de Lima) devido à sua história ligada a joalheiros, ou mesmo Lisboa. Porém, outros defendem a possibilidade de as Beiras serem o verdadeiro local de nascimento do dramaturgo. Em nenhuma das suas obras referencia Barcelos ou Guimarães, mas sim dezenas de elementos relacionados com as Beiras. O conhecimento que Gil Vicente demonstra daquela região é bastante profundo, o que leva a crer que seja essa a sua naturalidade.

Morreu em local desconhecido, talvez em 1536, pois é a partir dessa data que deixam de existir referências ao seu nome, deixando de escrever desde essa mesma data.

Poeta ou Ourives?

Surge a dúvida se Gil Vicente foi ou não um comerciante de ouro, visto que cada livro publicado defende a veracidade deste facto ou não.

Um estudo de Sanches de Baena mostrava a genealogia distinta de dois indivíduos de nome Gil Vicente. Brito Rebelo comprovou a inconsistência histórica destas duas genealogias utilizando documentos da Torre do Tombo.

Gil Vicente casou com Branca Bezerra, de quem nasceram Gaspar Vicente (morreu em 1519) e Belchior Vicente (nascido em 1505). Casou depois com Melícia Rodrigues, que deu à luz Paula Vicente (1519-1576), Luís Vicente e Valéria Borges.

O seu primeiro trabalho conhecido (Auto da Visitação, também conhecido como o Monólogo do Vaqueiro), foi apresentado nos aposentos da rainha D. Maria para celebrar o nascimento do príncipe. Este acontecimento ocorreu no dia 8 de Junho de 1502 e contou com a presença de D. Leonor, viúva de D. João II e D. Beatriz, mãe do rei.

Tornou-se o responsável pela organização dos eventos realizados no palácio. Impressionada com o seu desempenho, D. Leonor pediu a repetição da peça pelo Natal, ao que Gil Vicente reagiu de forma inesperada. Ao constatar que a ocasião merecia outro tipo de tratamento, escreveu o Auto Pastoril Castelhano . Perante o interesse de D. Leonor, que se tornou a sua protectora nos anos seguintes, Gil Vicente ganhou a noção de que o seu talento lhe permitiria mais do que simplesmente adaptar peças para as diferentes ocasiões.

Se foi de facto ourives, a sua obra-prima foi a Custódia de Belém, construída para o Mosteiro dos Jerónimos, em 1506.

São poucas as datas que se conseguem apurar relativamente a Gil Vicente. Em 1511 terá sido nomeado vassalo de el-Rei, um ano depois, representante da bandeira dos ourives na “Casa dos Vinte e Quatro”. Em 1513, o mestre da balança da Casa da Moeda, também de nome Gil Vicente (não se sabe se será ou não o mesmo) foi eleito para representar os mestres junto à vereação de Lisboa.

Dirigiu os festejos em honra de D. Leonor, a terceira mulher de Dom Manuel, no ano de 1520 antes de servir D João III, conseguindo o prestígio do qual se aproveitaria para rebaixar o clero e a nobreza, ou mesmo o monarca.

História

O Teatro Português Antes de Gil Vicente

O teatro português não nasceu com Gil Vicente. Esse mito justifica-se pela importância inegável do autor no contexto literário peninsular.

A verdade é que mesmo no reinado de Sancho I, dois dos actores mais antigos portugueses (Bonamis e Acompaniado) realizaram espectáculos, tendo sido pagos pelo rei com doações de terras.

No entanto, pouco restam dos textos dramáticos pré-vicentinos, o que aumenta consideravelmente a importância de Gil Vicente. Na verdade, julga-se que possível que ele próprio tenha assistido a algumas destas apresentações.

Porém, superou-as em mestria e em profundidade.

Obra

Características Principais

A obra de Gil Vicente segue os padrões do teatro ibérico popular e religioso, mas de uma maneira muito mais profunda, tendo uma grande variedade de formas: o auto pastoril, a alegoria religiosa, narrativas bíblicas, farsas episódicas e autos narrativos.

Seu filho, Luís Vicente, classificou as obras de seu pai em autos, mistérios, farsas e em comédias e tragicomédias. No entanto, qualquer classificação é redutora, visto que as várias categorias se englobam umas nas outras.

Retratou a sociedade portuguesa do séc. XVI com uma capacidade muito apurada ao observar e traçar o perfil das personagens. Considerado um dos mais importantes autores satíricos da língua portuguesa, usa uma quantidade de personagens extraídos do fantasma social português (marinheiros, ciganos, camponeses, fadas e demónios) e também referencias a dialectos e linguagens populares.

Como aspectos positivos são geralmente apontados a imaginação e originalidade; o sentido dramático e o conhecimento do meio onde vive. No entanto, alguns consideram que a sua originalidade e sentido crítico perde em requinte. De facto, Gil Vicente exprime-se de forma simples e directa, sem rodeios. Acima de tudo, a sua versatilidade é apreciada. Num segundo pode considerar-se uma alma rebelde, impiedosa e malévola e no outro, um tolo bobo da corte.

Elementos Filosóficos na Obra Vicentina

Transmitindo uma versão do mundo em que tudo se aproxima do Platonismo, Gil Vicente escreve sobre a existência de dois mundos: o Mundo Primeiro, da serenidade e do amor divino que leva à paz interior, ao sossego e a uma resplandecente glória, e o Mundo Segundo, o que retrata nas suas farsas, mundo todo ele falso e cheio de pecado, onde as injúrias e traições são comuns a todos os seres.

Gil Vicente utiliza também o contraste nos elementos teatrais ( a luz contra a sombra, as trevas iluminando a glória divina da maternidade, etc)

Obras

Aqui estão algumas das suas tão galardoadas obras:

  • Monólogo do vaqueiro ou Auto da Visitação (1502)
  • Auto dos Reis Magos (1503)
  • Auto da Alma (1508)
  • Farsa da Inês Pereira (1523)
  • Auto da Barca do Inferno (1517)
  • Auto da Barca do Purgatório (1518)
  • Auto da Barca da Glória (1519)
  • Floresta de Enganos (1536)

Bibliografia

  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Gil_Vicente



87 Visualizações 07/01/2020